top of page

Tomar atalhos novos e deixar caminhos velhos

Crescemos a saber que é a partir da repetição que aprendemos. Fazemos muitas e muitas vezes até já não precisarmos de pensar nisso. E simplesmente fazemos, criamos hábitos, rotinas. Fazemos isso durante bastante tempo ao longo do nosso desenvolvimento. Ao ponto de parecer que não sabemos fazer de outra maneira. E chegamos a adultos a ter de fazer diferente, adaptado, flexível. Ao inicio torna-se difícil, é verdade. Mas rapidamente conseguimos compreender os benefícios. Ainda que nem sempre seja assim para todos. Na Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) costuma ser uma dificuldade. Mas é fundamental ajudar as pessoas a encontrarem o seu caminho. E para isso precisamos de os ajudar a conseguir chegar até ao diagnóstico e à sua compreensão.

Ainda que neste momento se viva com grande intensidade a situação do surto de Corona vírus. É importante poder retomar progressivamente a vida quotidiana e com as questões do quotidiano e que importam em muito a todos nós. No caso das pessoas adultas com Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) a possibilidade de ser avaliado e diagnosticado continua a ser fundamental.


Os acontecimentos das últimas semanas com o surto de Corona vírus veio criar instabilidade e incerteza na vida de todos nós e nas pessoas adultas com PEA também. E naquelas que não sabem que têm PEA provavelmente ainda mais. Isto porque, além de estarem a procurar fazer frente a todo um conjunto de obstáculos derivados das medidas implementadas por causa do vírus. Também estão a procurar fazer frente às situações com que se têm deparado devido a algumas das suas características que foram activadas. E adicionalmente também passaram a perceber que essas mesmas características parecem trazer algum incómodo e espanto às pessoas com que vivem, sejam os/as companheiros/as, filhos, amigos ou colegas de trabalho. Como assim? E nunca ninguém tinha dado conta de nada?


Na Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) como é sabido há uma grande heterogeneidade na apresentação das expressões comportamentais de cada um, sejam crianças, jovens ou adultos, assim como, serem homens ou mulheres. E se pensarmos nas pessoas adultas com mais de 25 - 30 anos precisamos de pensar que na altura em que os mesmos estavam a passar pela sua infância e juventude ainda não havia assim tanto desenvolvimento como hoje em relação a vários destes aspectos no Espectro do Autismo. Alguns aspectos dos critérios de diagnóstico dos manuais de diagnóstico ainda não tinham sido alterados para o que existe hoje. Nomeadamente, apenas em 1994 é que a Síndrome de Asperger foi introduzida na DSM como uma categoria de diagnóstico separada. Se pensarmos, em 1994 eu tinha 20 anos.


Mas principalmente a conscientização e sensibilização para a possibilidade de se poder fazer um diagnóstico de PEA na pessoa adulta mesmo quando ela nunca antes tinha sido diagnosticada. E a própria formação dos profissionais de saúde para aquilo que pode ser a expressão comportamental do adulto com PEA. Estes e outros factores têm feito com que neste momento seja possível dar uma resposta diferente a muitas destas pessoas.


E ainda há quem possa ficar a pensar que o facto da pessoa adulta passar a ter conhecimento de que tem um diagnóstico de Perturbação do Espectro do Autismo isso possa ser traumatizante! Na verdade é traumatizante. Mas não pelas razões que possam estar a pensar. O que a pessoa vai dizer, e já o têm dito, é de como é que é possível que apenas agora depois destes anos todos é que tenham descoberto esse seus diagnóstico!? Ou de como é que após inúmeras idas a vários especialistas médicos e da psicologia com várias queixas, algumas delas semelhantes às que apresentam na actualidade, apenas neste momento é que tenham percebido que é uma Perturbação do Espectro do Autismo?! As pessoas não vão ficar mais traumatizadas por saberem do seu diagnóstico em si. Muitas já desconfiavam de poder ser algo muito próximo disso - PEA. As pessoas apenas queriam e querem poder compreender-se e ao outros também.


É um direito que assiste a todos nós poder saber o que se passa connosco! Isso é aquilo que todos nós, independentemente da nossa proveniência, formação, idade, etc., precisamos de pensar - É um direito da pessoa saber qual o seu diagnóstico e de como isso a pode ajudar a se compreender e a entender os outros e a vida!


As pessoas no Espectro do Autismo vivem já elas próprias um conjunto grande de dificuldades e obstáculos que sentem ter e querer ultrapassar. Como tantos outros de nós na vida adulta as dificuldades apresentam uma maior complexidade e uma maior necessidade de poder colaborar com outras pessoas, independentemente da relação que se tenha com elas, para alcançar esses mesmos objectivos.

10 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page