top of page

Porque teimas em falar comigo?

Porque teimas em falar comigo?, perguntava Alfredo (nome fictício). Estava afundado no cadeirão em frente de mim envolvido num diálogo. Diz-me! Porque queres falar comigo? repetia. Não sou uma pessoa interessante. O que queres de mim? continuava.


Tenho ouvido vozes desde que me lembro. A melhor maneira que posso para descrever a minha experiência é imaginar ter um rádio ligado no canto do meu quarto 24 horas por dia, 7 dias da semana. Na maior parte das vezes, o som é definido logo abaixo do limiar de audição. Você pode fazer conversa, mas tem que se concentrar para dizer as palavras. No entanto, em momentos de stress, este rádio é ligado automaticamente. E torna muito difícil concentrar-me em qualquer coisa, refere.


As minhas vozes provavelmente originaram-se como um mecanismo de lidar com as minhas experiências de infância. Fiquei sozinho por longos períodos de tempo, e assim, desesperado por ter interacção com outros, imaginei as pessoas com quem brincar. Com o tempo, comecei a carregar estas pessoas inventadas ao redor comigo dentro da minha cabeça onde quer que eu fosse, como se fosse o meu próprio comité consultivo pessoal. Eu nunca me senti só ou entediado, porque eu sempre tinha alguém com quem falar. No entanto, isso só serviu para me isolar mais dos meus pares, que me rotulavam como "o miúdo estranho". Fui uma criança isolada e deprimida, o que provavelmente só me fez confiar mais nas minhas vozes, isolando-me ainda mais. Foi um ciclo vicioso, conclui.


O ponto de ruptura com as minhas vozes foi quando tinha 25 anos. Tinha acabado de terminar com o meu parceiro ao fim de 11 anos e estava no meio do meu último ano da universidade. Enquanto para mim era normal ouvir vozes diariamente, passei a ouvir uma voz que era particularmente alta e clara. Esta voz parecia pertencer a uma pessoa individual, em vez das minhas outras vozes que considerei uma parte de mim mesmo. Esta voz disse-me num tom sinistro, "Eu vi o que acontece a seguir, e você vai morrer". A experiência sacudiu-me tanto que eu pedi para ir imediatamente às urgências, acrescenta.


Há muito se reconhece que os fundamentos biológicos da Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) e da Perturbação do Espectro da Esquizofrenia (PEE) podem compartilhar uma base comum. No entanto, as duas condições permanecem separadas na DSM 5 devido a algumas características distintas. Ambos as condições são caracterizados por déficits cognitivos e sociais e presume-se que estejam ligados a múltiplos genes.


A PEA e a PEE podem estar muito mais interconectados do que se acreditava anteriormente e os diagnósticos duplos podem ocorrer com mais frequência do que a literatura anterior sugere. A PEA é caracterizado por dificuldades na interacção e comunicação social, bem como a existência de comportamentos restritivos e repetitivos, enquanto a PEE é caracterizada por delírios, alucinações, pensamento ou fala desorganizados, comportamento motor desorganizado e sintomas negativos. E deve apresentar pelo menos dois destes comportamentos ou sintomas negativos por um período de seis meses. Sendo que a PEE inclui a esquizofrenia, perturbação esquizoafectiva, esquizofreniforme e perturbação da personalidade esquizotípica.


A perturbação esquizoafectiva é caracterizado por apresentar sintomas que atendem aos critérios para uma perturbação do humor na maior parte da condição e apresentar sintomas que atendem aos critérios de esquizofrenia por pelo menos duas semanas sem episódios de humor no decorrer da mesma. A perturbação esquizofreniforme é caracterizada por atender aos critérios da esquizofrenia por um a seis meses. E a perturbação da personalidade esquizotípica é caracterizado por um padrão generalizado de percepções e cognições anormais, excentricidade e falta de relacionamentos íntimos. A esquizofrenia de início na infância é caracterizada por sintomas de esquizofrenia antes dos 13 anos de idade.


Um estudo longitudinal que procurou examinar o inicio destes comportamentos na infância descobriu que 50% das pessoas tinham uma perturbação do neurodesenvolvimento subjacente que precedeu o início dos sintomas psicóticos e 30% tinham PEA. Sendo que esta pode incluir experiências perceptivas incomuns, pensamento estranho, preocupações e fala estranha, tal como observado na PEE. Ambos as condições são caracterizados por uma falta de capacidade de mentalização. E os sintomas negativos da esquizofrenia podem estar intimamente ligados aos prejuízos sociais observados na PEA.


Os comportamentos desorganizados observados na esquizofrenia podem estar intimamente ligados aos movimentos repetitivos e às expressões da PEA. Sendo que a PEA e a PEE estão associados a inadequações sociais, afecto embotado, falta de expressão facial, de diferenciação da fala, gestos, contato ocular, linguagem atípica e processos de pensamento concretos ou obsessivos.


Os sintomas da PEA muitas vezes sobrepõem-se aos sintomas da esquizofrenia. Entretanto, o maior ponto de diferenciação está nos sintomas positivos. Os testes psicológicos realizados com pessoas autistas geralmente concentram-se na interacção e comunicação social, comportamentos repetitivos e padrões de linguagem atípicos. Enquanto que o testes psicológicos em pessoas com esquizofrenia geralmente detectam mais delírios e alucinações. Quando a apresentação tem aspectos de PEA e PEE e ao tentar diferenciar ambas as condições, é importante considerar se os sintomas da condição predominante estão a causar uma elevação nas medidas destinadas a detectar a outra condição.


Raúl (nome fictício) tem 46 anos a apresenta um histórico psiquiátrico de depressão, ansiedade social, psicose, perturbação obsessivo-compulsivo (POC) e perturbação pós-traumático de stress (PTSD), assim como um histórico médico de hipertensão e hipercolesterolemia . Já teve três internamento psiquiátricos anteriores. Ele deu entrada na urgência hospitalar de emergência com alucinações auditivas e visuais que pioraram ao longo de dois meses.


Raúl descreveu as alucinações auditivas como "telepatia", como ouvir os pensamentos dos outros. As vozes ordenavam que ele realizasse tarefas como verificar o seu e-mail ou correr um número específico de voltas quando ia ao ginásio. Ele relatou que, se ignorasse os comandos, as vozes começariam a fazer comentários depreciativos. As vozes nunca o ordenaram a realizar ações violentas. Ele sustentou que se elas o tivessem feito, ele teria ignorado. As vozes começaram a interferir na sua vida diária. E Raúl sentiu que as vozes eram muito autênticas e em certas circunstâncias o fizeram sentir como se ele fosse o alvo de uma conspiração.


Além de tudo, ele também relatou ansiedade e depressão leves associadas às alucinações, mas esses sintomas eram gerenciáveis e não excessivamente incómodos. As vozes dificultavam o início do sono e, portanto, muitas vezes ele sentia-se privado de sono. Chegou mesmo a afirmar que tinha uma longa história de distúrbios do sono.


O episódio psicótico mais recente do Raúl começou depois que ele ter sido vítima de roubo de identidade. Ele relatou ter alucinações auditivas e visuais, bem como um humor drenado naquele momento. Além de ter ficado paranoico e desconfiado dos outros, mesmo daqueles não envolvidos no roubo. Posteriormente foi internado numa unidade de internamento psiquiátrica, onde continuou a relatar alucinações visuais e auditivas que levavam à insónia. Uma alucinação visual incluía uma imagem holográfica do presidente Donald Trump a comer batatas fritas ao lado dele. As alucinações auditivas incluíam vozes que ele achava que vinham de presidentes, celebridades, governadores, familiares e colegas de trabalho. As suas alucinações auditivas e visuais muitas vezes ocorriam de forma independente, mas ele sentia que estavam conectadas.


Raúl sentiu que as vozes podiam ler os seus pensamentos e prever sensações somáticas. Por exemplo, as vozes ocasionalmente diziam-lhe que o seu tornozelo ou estômago doíam. E logo de seguida sentia esses mesmos sintomas. As vozes também tiveram acesso às suas memórias. Ele citou um exemplo em que não conseguia lembrar o número do seu quarto, então as vozes disseram-lhe. Ele também disse que o CEO da Google muitas vezes lhe dizia com precisão quantos e-mails ele tinha. Ele reconheceu as vozes como fictícias, mas sentiu-se alvo de uma conspiração governamental por deixar seu último emprego sem avisar.


Raúl foi a uma consulta de psiquiatria a primeira vez aos 19 anos, depois de sofrer acusações de homossexualidade de um colega na universidade. Ele ficou obcecado com as acusações, muitas vezes tendo pensamentos intrusivos de homens que dizia dirigirem-se a ele. Na altura foi diagnosticado com POC. O seu primeiro episódio de psicose com necessidade de internação psiquiátrica começou durante a universidade, alguns anos depois. A paranoia levou-o a a abandonar os estudos a meio do período, pois sentiu que um dos seus professores não gostava dele com base no seu franzir frequente de sobrancelhas. Esta foi a primeira vez que ele desistiu de algo.


O segundo episódio de psicose do Raúl ocorreu aos 41 anos. Começou com uma alucinação auditiva. Relatou um episódio de contração muscular intermitente seguido alguns dias depois por vozes na sua cabeça. Ele não estava a fazer qualquer medicação psiquiátrica na época. Ao longo de algumas semanas ou meses, os seus sintomas levaram-no a demitir-se.


Raúl relatou ter ouvido a voz do presidente Barack Obama no caminho de volta dizendo-lhe para parar e deixar o carro. Ele foi encontrado confuso na beira da estrada por outro motorista que chamou uma ambulância. O paciente relatou que foi o Esquadrão de Resgate da Casa Branca que o trouxe para uma clínica psiquiátrica. Ele sentiu que a comunicação do presidente Obama e o transporte para o hospital pelo Esquadrão de Resgate estavam conectados. Ele foi hospitalizado pela segunda vez, diagnosticado com psicose e uma possível condição bipolar, e começou a fazer Aripiprazol. Ele experimentou alívio dos sintomas após duas semanas. Após algum tempo começou um novo trabalho como técnico de laboratório e, após alguns meses sem alucinações, decidiu interromper a medicação.


A intersecção entre a Perturbação do Espectro do Autismo e as Perturbações do Espectro da Esquizofrenia são grandes e algumas delas ainda pouco compreensíveis. Contudo, vão existindo cada vez mais indicadores que nos relançam da importância de atender a estas condições com um olhar mais abrangente.


43 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Mulher

Comments


bottom of page