Let's get physical

Há muito que oiço que as pessoas autistas são avessas à prática de actividade física. Mas depois também tenho ouvido que as pessoas autistas não conseguem fazer contacto ocular. O certo é que ambas são possíveis ainda que algumas pessoas possam apresentar determinadas características que tragam inicialmente alguma demora em se querer continuar a fazer. E se o contacto ocular pode ser importante nas relações sociais. A prática de uma actividade física tem um impacto provavelmente mais alargado na vida da pessoa e com a possibilidade de vir a melhorar as relações sociais. As características relativamente à motricidade são conhecidas no Espectro do Autismo, da mesma forma que outros problemas como a obesidade, questões cardiovasculares, gastrointestinais, etc. E todas estas questões reduzem drasticamente a qualidade e o tempo de vida. O autismo mexe consigo, oiça o seu corpo.


Muitos pessoas autistas são menos aptos e têm mais problemas de saúde do que seus pares não-autistas. Estes dados sugerem a necessidade de desenvolver intervenções efectivas de actividade física. Os deficit nas competências motoras, falta de motivação e oportunidades limitadas de actividade física podem restringir a participação no exercício. Mas todas elas podem ser ultrapassadas, seja com o envolvimento de um profissional da área do desporto ou um psicomotricista, por exemplo.


Os adultos autistas experimentam um número maior de doenças graves e problemas de saúde, incluindo obesidade, diabetes tipo 2, doenças cardiovasculares, problemas gastrointestinais, depressão, e mortalidade ainda mais precoce que a população em geral. A participação numa actividade física regular é reconhecida como um dos principais indicadores de saúde e mediador de doenças; no entanto, muitos adultos autistas vivem sedentários nos seus estilos de vida, que podem contribuir para seus problemas de saúde.


A participação recomendada de quantidade de actividade física é importante, pois melhora a aptidão física e saúde mental relacionadas à saúde, ajuda a manter um peso saudável, melhora a capacidade de realizar actividades da vida diária, e podem reduzir o risco de desenvolver condições secundárias associadas à obesidade, como pressão arterial alta, diabetes mellitus tipo 2 e doenças cardiovasculares.

A participação numa atividade física para pessoas autistas pode ser difícil devido a terem piores competências motoras, falta de motivação para ser fisicamente ativo, e oportunidades limitadas de actividade. A aptidão física é afetada pelos níveis de actividade; portanto, não surpreende que os níveis de condicionamento físico de adolescentes autistas são inferiores aos de colegas que não são do espectro do autismo. As menores competências motoras podem levar a falta de competência e motivação para participar nas atividades físicas. Por esses motivos, é importante projetar intervenções de actividade física que podem ajudar a quebrar essas barreiras.


Baseado na teoria da autodeterminação, que postula que condições que suportam as necessidades psicológicas básicas de autonomia, competência e relacionamento ajudam a promover a motivação e o envolvimento. Os programas de promoção de actividade física com grupos de pessoas autistas oferece oportunidades para que estes se envolvam em atividades preferidas e instrução auto-dirigida (autonomia), ganhar competência através do acesso a instruções de especialistas e de se envolver socialmente com pares. Quando essas necessidades psicológicas são atendidas durante uma actividade, as pessoas experimentam uma maior motivação intrínseca para se envolver nessa experiência.

0 visualização

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com