Barreiras do costume

É menino ou menina? É tão bonito que parece mesmo uma menina! Tem o cabelo tão encaracolado que parecia a minha filha quando era pequena! Com o cabelo curto pensei mesmo que fosse um rapaz! Não dá mesmo para perceber! As questões do género não são novidade. E ultimamente tem estado mais presente no discurso de uns e outros. Nas Perturbações do Espectro do Autismo (PEA) também há muito que pensar e também barreiras para derrubar.

Compreender o relacionamento entre as pessoas e o seu género é uma componente fundamental para entender a sua experiência vivencial enquanto tal. No caso das pessoas com Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) também. É vital poder compreender o relacionamento único entre pessoas com PEA e o seu género, enquanto componente essencial para entender a experiência autista. Há cada vez mais evidências de que as pessoas autistas são mais propensas a ter diversidade de género comparativamente aos não-autistas. Estou ciente que abordar este tema possa ser sensível e até mesmo fracturante para algumas pessoas. Principalmente se ficarem com a ideia de que o que se está a dizer é que as pessoas homossexuais, lésbicas, bissexuais, etc. são do espectro do autismo ou vice versa. Porque simplesmente não é. Contudo, tem surgido um maior número de relatos feitos por parte de pessoas com PEA a reportar esta questão. E que no caso das raparigas/mulheres esta questão parece ser mais frequente comparativamente aos rapazes/homens. Sentir que não se consegue enquadrar ou definir de forma clara relativamente ao género, para além de outras questões associadas.

Há uma representação de toda a identidade de género entre pessoas do espectro do autismo, assim como em não autistas. No entanto, parece haver uma maior diversidade de género entre a população autista em comparação com a população em geral. Parece existir uma quantidade crescente de evidências que sugerem uma co-ocorrência entre disforia de género e PEA. A disforia de género é o sentimento do corpo de alguém que não corresponde aos seus sentimentos ou de ser tratado de maneira diferente do seu sexo. Não é um pré-requisito para uma identidade diversificada de género, mas ocorre na maioria dos casos. Investigações posteriores mostraram que as pessoas autistas, principalmente as mulheres, tinham menor identificação social com e mais sentimentos negativos sobre um grupo de género do que as pessoas não autistas. Em outras palavras, as pessoas autistas são mais propensas a ter disforia de género e ter diversidade de género, mas as mulheres nativas autistas têm uma probabilidade ainda maior.


Pode haver no espectro do autismo algumas características que possam ser facilitadoras e que ajudem melhor a enquadrar estas questões. Por exemplo, as pessoas com PEA podem ser muito introspectivos, uma qualidade que ajuda a entender a sua própria identidade de maneira mais profunda do que muitos não autistas. A estrutura neurológica única das pessoas autistas parece facilitar a rejeição das convenções sociais de género e, posteriormente, apresentar uma diversidade de género. Uma revisão de relatos de pessoas com PEA destaca o trabalho emocional desgastante e implacável que muitas vezes exige a conformidade com as expectativas sociais de género. Muitas pessoas autistas respondem rejeitando explicitamente ou simplesmente negligenciando as demandas confusas de género para se concentrar em suas próprias necessidades. É frequente ouvir entre alguns adultos com PEA - "Eu não me sinto como um género, me sinto como eu", em um esforço para descrever sua identidade.


Embora a diversidade de género seja alta entre as pessoas autistas em geral, as raparigas parecem ter menos probabilidade de serem identificadas como autistas do que os rapazes, mesmo quando apresentam sinais semelhantes. Isso não significa que os rapazes sejam mais propensos a ser autistas; significa apenas que as raparigas foram subdiagnosticadas e não identificadas. Por exemplo, um estudo recente de adultos autistas, usando uma medida de camuflagem auto-relatada recentemente desenvolvida, encontrou um maior índice de mascaramento em mulheres autistas do que homens autistas, ao mesmo tempo em que também não detectou diferenças de mascaramento entre adultos não autistas. Como as mulheres autistas são melhores em mascarar, faz sentido que as raparigas sejam reconhecidas como autistas com menos frequência. Afinal, as mulheres autistas cresceram de raparigas autistas que estavam apenas tentando se encaixar. Outro estudo descobriu que são formadas mais impressões negativas por homens autistas do que mulheres autistas; isto é, as mulheres autistas são julgadas mais favoravelmente que homens autistas. Todos os autistas, no entanto, foram julgados menos favoravelmente em comparação com pessoas não autistas. Para além deste viés de género, há outras questões existentes no espectro do autismo que podem ajudar a enquadrar. Por exemplo, as diferenças de comunicação devido a ansiedade, disfunção executiva, alexitimia e outras condições e circunstâncias podem dificultar para uma pessoa autista explicar seu relacionamento ou procurar maneiras de entender o seu género. Como tal, os autistas geralmente se relacionam com personagens fictícias ao tentar se entender. Entender a identidade de alguém pode ser um processo complexo e que requer muita reflexão e assume ideias às quais uma pessoa pode não ter tido acesso. Personagens e histórias fornecem identidades e experiências pré empacotadas que podem ajudar as pessoas a sentir suas identidades e descobrir como expressar seus ideais pessoais. Pesquisas sobre representação que os órgãos de comunicação social têm sobre a comunidade LGBT que investigam a sua representação e impacto descobriram que os media no geral e a TV em particular parecem limitar a percepção das pessoas LGBT sobre as suas trajetórias futuras. Com uma escassez de personagens distintos actuando em cenários distintos, pode ser difícil entender como a própria identidade pode parecer num meio de um cenário de media não representativo.vÉ importante observar que os media não faz com que alguém ganhe uma identidade; apenas fornece as ideias e o entendimento necessários para que uma pessoa perceba o que existe lá o tempo todo.


As pessoas autistas já lutam para se encaixar na Sociedade. Sociedade esta que chama e marginaliza pessoas vistas como diferentes, exemplificadas por taxas de suicídio muito mais altas que a população em geral. Pessoas com diferentes géneros também têm altas taxas de suicídio, por razões semelhantes. A interseção dessas identidades significa que apoiar autistas com diversidade de género pode significar a diferença entre vida e morte. A melhor maneira de mostrar apoio é afirmando seu género e fornecendo espaços sem julgamento, à medida que se descobrem. Os autistas também podem encontrar barreiras relacionadas à incapacidade que não lhes permitem tomar suas próprias decisões de afirmação de género. Quando as pessoas são colocadas sob tutela ou forçadas a instituições, por exemplo, a sua autonomia é reduzida e as decisões podem ser-lhes retiradas. As crianças são igualmente limitadas em autoridade sobre suas próprias vidas, nos tratamentos e cuidados de saúde. De qualquer forma, é importante afirmar e capacitar os indivíduos quanto à sua identidade de género e necessidades relacionadas. As pessoas autistas são mais propensas a ter diversidade de género, mas a maioria dos problemas que encontram com essas identidades são de natureza social e sistémica. A afirmação de género e o apoio de amigos, familiares e serviços de saúde para eliminar essas barreiras geralmente podem ser a diferença entre uma vida com menor ou maior sofrimento.

0 visualização

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com