Vida normal

O meu nome é Raúl (nome fictício) e tenho 41 anos de idade. Na verdade o meu nome não é Raúl mas ainda não ultrapassei o obstáculo de aceitar o meu diagnóstico de Desordem do Espectro do Autismo. O rapaz que vê na fotografia é meu filho, o seu nome é Lucas (não o seu nome verdadeiro) e ele tem 4 anos de idade. A fotografia não é realmente do meu filho, mas pensei que dizia muito sobre a forma como os meus dias começam. E ele também não se chama Lucas, mas como não lhe pedi permissão para dizer o seu nome, nem sei se ele iria compreender que preferia usar outro nome. Pedi a Pedro que o escrevesse com o meu nome. O título foi escolhido por mim - Vida normal. Porquê? Porque sinto que muitas vezes as pessoas pensam que porque sou autista a minha vida não é normal. Ou que eu não faço coisas normais do dia-a-dia como toda a gente. A nossa casa, onde eu, Lucas e o meu actual parceiro vivemos. Sim, fui casada uma vez e, após algum tempo divorciada, voltei a casar. Se não se sabe, os autistas também têm o desejo de construir uma família, ter filhos ou relacionamentos, sejam estes sociais ou amorosos. Além disso, se pensa que só a mim está enganado, porque há mais. A minha vida com a minha ex-mulher foi complicada. Entre outras coisas, é algo que acontece quando não nos conhecemos um ao outro. Seja individualmente e depois, também devido a essa razão, ao Outro. A culpa não foi de ninguém. Eu não fazia ideia de quem eu era. Sim, como muitos outros adultos autistas em Portugal e noutros lugares, descobri o meu diagnóstico já na idade adulta. Mais precisamente com a idade de 39 anos. Lucas ainda não sabe, mas ajudou-me muito. Sim, o meu filho Lucas também é diagnosticado com Desordem do Espectro do Autismo. E foi no processo da sua avaliação que acabei por me interrogar sobre as minhas próprias características. Aprendi que ele não é único. Lucas, tal como a criança da foto, adormece frequentemente à mesa logo de manhã, ao pequeno-almoço. Ele tem muitos problemas em adormecer e acorda frequentemente durante a noite. E como se pode ver, também não tem dormido muito bem. Mas pelo que ouço no escritório, isto é algo que acontece a muitas outras mães e pais e com crianças pequenas. Talvez seja a forma como cada um de nós enfrenta a situação que é diferente. Mas todos nós somos diferentes. E por isso não vejo que esta seja uma história tão grande. E como é que o meu actual parceiro tem lidado com o meu diagnóstico, podem perguntar? Eu diria que sim. Apesar de não saber muito bem, pelo menos ainda não, como posso diferenciar certos tipos de emoções que penso sentir em muitas situações da minha vida. Digo pelo menos ainda porque, entretanto, comecei a psicoterapia. Algo que muitas outras pessoas com ou sem a minha condição fazem. E eu diria que isso também é bom. Quando me foi explicado o que realmente se passava comigo e que seria importante compreender-me melhor, se essa fosse a minha escola, não hesitei. As coisas que me foram ditas faziam todo o sentido para mim e por isso não hesitei. Penso que uma grande maioria das pessoas, especialmente os adultos, também decidem as coisas com base na lógica. Mesmo que seja a sua própria lógica. Tal como a minha é a minha própria lógica. Se existe uma forma ou um processo que me ajuda a fazer a mesma coisa mas leva menos tempo, não vejo porque não optar por ela. Não menos importante porque com uma criança pequena em casa, as coisas tornam-se sempre mais difíceis. Mas isto não é novidade, especialmente para aqueles que têm filhos pequenos ou que pelo menos sabem como pensar sobre isso. E como é a relação com a minha ex-mulher, por vezes perguntam-me? Depende da situação. Por vezes discordamos em algumas coisas e isso torna-nos difícil decidir em certos momentos. Mas em geral as coisas correm bem e, depois dos momentos mais difíceis, sabemos como continuar. Embora o diagnóstico de Lucas esteja a ser mais difícil para ela aceitar. Mas isso é coisa dela. O importante é que o que Lucas precisa, ele pode ter. E isso é o que conseguimos alcançar. Portanto, também aqui não vejo que a minha situação seja tão diferente da que ouço no escritório. É verdade, já falei duas vezes sobre ouvir certas coisas lá no escritório. Eu trabalho. E é um escritório. É verdade, as pessoas autistas também trabalham. Mesmo que haja uma montanha de dificuldades para que o façam. Embora eu esteja a trabalhar neste momento, este não é o meu primeiro trabalho. Já tive outros no passado e nem todos eles correram bem. E mesmo neste ainda estou a passar por algumas dificuldades. Seja pelas minhas próprias razões, mas também por causa dos meus colegas, que aparentemente ainda não sabem lidar muito bem comigo. Começo a trabalhar todos os dias às 9 da manhã. Nunca perdi um dia. Mesmo quando Lucas adormece frequentemente à mesa do pequeno-almoço. Chegar atrasado não faz parte do meu comportamento. Disseram-me que isso é uma coisa do Espectro do Autismo. Confesso que a primeira vez que ouvi dizer que me ri. Também ouvi dizer que as pessoas do Autism Spectrum não se riem. De qualquer modo, como se pode dizer, as pessoas autistas têm brio por não se atrasarem e também se riem. Não estou a dizer se há pessoas autistas que riem ou não, porque nunca passei 24 horas com nenhum deles e durante uma semana inteira para poder contar o número de sorrisos que eles fizeram. Quanto a ser sempre pontual, sempre pensei que deveria ser assim que qualquer um de nós o deveria fazer, e não exactamente uma coisa do Espectro do Autismo. Mas se é, é uma coisa boa. Gosto de o fazer dessa maneira e é a maneira que faz mais sentido para mim. Tenho tendência para fazer as coisas na minha vida da maneira que faz mais sentido para mim. Não é assim que a grande maioria das pessoas faz as coisas? Sei que ser pontual não é a única coisa que gosto de fazer dessa forma. Há algumas outras que também me agradam. E eu tento fazê-las regularmente. Mesmo que o meu filho Lucas me esteja a ensinar sem eu o saber, para que eu aprenda a fazer as coisas de uma forma diferente. Fico feliz por ele gostar de fazer as coisas da mesma maneira. Sim, estou contente. Porque não haveria de estar? Porque o meu filho é autista? Talvez devêssemos deixar essa conversa para outro dia. Mas para o caso de haver alguma dúvida, volto a dizê-lo. Sim, estou contente por o meu filho ser quem ele é. E não vejo sequer a necessidade de poder explicar mais nada. Não vejo que outros pais andem por aí a justificar porque estão felizes com os seus filhos. Não tenho mais nada a dizer-vos agora. Estas reflexões esgotam-me. Pensar em nós próprios e nas nossas vidas esgota-me. Mas também penso que isto não é muito diferente da vida normal de outras pessoas. E eu sou uma pessoa e também tenho uma vida normal. Se quiserem saber mais alguma coisa, podem sempre perguntar-me. Às vezes respondo e outras vezes não. Mas é assim mesmo, não é assim?


5 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo