Ups, passei por cima de um buraco, deixa-me olhar melhor!

Quando nos deslocamos para algum lado nem sempre sabemos por onde teremos de ir. E são cada vez mais as vezes em que confiamos no GPS ou no Waze e nem sempre corre bem. Na estrada tal como em alguns tópicos, os percursos por vezes são acidentados. É o caso da sexualidade & da actividade sexual no Espectro do Autismo. Mais uma vez como na estrada, para sabermos onde estamos é importante saber de onde partimos para melhor nos orientarmos. E no tópico da sexualidade no Espectro do Autismo é bom podermos "olhar pelo retrovisor".

“…sex is not for the majority of autistic people…”

(Torisky & Torisky, 1985)


Foi há 34 anos atrás que esta frase foi escrita. Alguns dirão que foi há bastante tempo. Mas muitos de nós terão uma opinião diferente. Além do impacto que este tipo de afirmações e conceptualizações proferidas em artigos científicos e manuais técnicos pode ter junto da Sociedade e das pessoas com Perturbação do Espectro do Autismo (PEA).

As nossas avaliações morais da actividade sexual são afectadas pelo que vemos na natureza do impulso sexual, ou do desejo sexual, nos seres humanos. Como em muitos outros tópicos, talvez em todos, a filosofia é um alicerce fundamental na reflexão. E porquê? Devido à sua importância para a compreensão, o respeito e a consideração pela diversidade de opiniões, pensamentos e culturas que enriquecem a forma como vivemos no mundo. A filosofia é uma arte da convivência, com o devido respeito aos direitos e aos valores comuns. É a habilidade de ver o mundo com um olhar crítico, consciente dos pontos de vista de outros, e fortalecido pela liberdade de pensamento de consciência e de crença.


E até mesmo na filosofia encontramos divisões e pensamentos contrários, respeitante a este tema. Existe uma profunda divisão entre aqueles filósofos que podemos chamar de optimistas sexuais metafísicos e aqueles que podemos chamar de pessimistas sexuais metafísicos.


Os pessimistas na filosofia da sexualidade, como Santo Agostinho, Immanuel Kant e, às vezes, Sigmund Freud, percebem o impulso sexual e agem sobre ele como algo quase sempre, se não necessariamente, ineficaz na dignidade da pessoa humana; eles vêem a essência e os resultados do impulso incompatíveis com objectivos e aspirações mais significativos e elevados da existência humana. Eles temem que o poder e as demandas do impulso sexual o tornem um perigo para a vida civilizada harmoniosa. E eles acham na sexualidade uma ameaça severa não apenas às nossas relações apropriadas e tratamento moral com outras pessoas, mas também igualmente uma ameaça à nossa própria humanidade. Creio que depois da leitura deste parágrafo algumas pessoas se conseguiram identificar ou pelo menos identificar alguém que já ouviram falar acerca da sexualidade no espectro do autismo.


Do outro lado estão os optimistas sexuais metafísicos (Platão, em algumas de suas obras, às vezes Sigmund Freud, Bertrand Russell e muitos filósofos contemporâneos) que não percebem nada especialmente desagradável no impulso sexual. Eles vêem a sexualidade humana apenas como outra dimensão e principalmente inócua de nossa existência como criaturas corporificadas ou semelhantes a animais. Eles julgam que a sexualidade, que em certa medida nos foi dada pela evolução, não pode deixar de ser propícia ao nosso bem-estar sem prejudicar nossas propensões intelectuais. E louvam mais que temem o poder de um impulso que pode nos levar a várias formas elevadas de felicidade.


A crescente prevalência de autismo desde os anos 90 levou a uma crescente procura pela educação sexual que pudesse atender às necessidades das pessoas no espectro do autismo. No entanto, há uma escassez de pesquisas documentando sobre as primeiras experiências e perspectivas de indivíduos autistas. As pessoas no espectro do autismo beneficiariam da educação sexual que normaliza as diferenças (por exemplo, identidades e experiências da sexualidade), é oferecida ao longo da idade adulta, atende às necessidades sensoriais e de comunicação relevantes para a deficiência e inclui a prática de normas sociossexuais neurotípicas.


Investigadores e clínicos na área são quem cada vez mais defendem a educação sexual para as pessoas no espectro do autismo, e fornecem directrizes para as melhores práticas. Infelizmente, esses esforços ocorrem numa escassez de pesquisas que documentam as experiências e perspectivas em primeira mão das pessoas no espectro. Os estudos de sexualidade na vida de indivíduos autistas baseiam-se principalmente em relatos de familiares, professores ou cuidadores. E como tal torna-se compreensível as dificuldades que ainda hoje vão existindo em relação à conceptualização do tema. Se queremos saber e principalmente sobre algo tão próprio do ser humano e igualmente tão intimo vamos ter de perguntar aos próprios.


Além disso, estudos anteriores tendiam a se concentrar em “comportamentos problemáticos”, como masturbação pública, expressão não normativa de excitação ou interesse sexual (por exemplo, cortejar de forma persistente), masturbação com objectos (por exemplo, almofadas) ou em resposta a estímulos não normativos ( por exemplo, pés) e excitação e comportamento não heteronormativo (por exemplo, mesmo sexo) . Alguns autores observaram que muitos desses comportamentos "problemáticos" fazem parte do desenvolvimento sexual normal e comum em crianças. As crianças crescem desses comportamentos à medida que aprendem normas sociossexuais por meio da interacção entre pares e da educação formal. As pessoas no espectro são frequentemente excluídas dessas oportunidades, particularmente as oportunidades de aprendizagem social que são essenciais para obter conhecimento sobre normas para interacções sexuais ou íntimas.

O desconforto que pais e cuidadores costumam sentir sobre o facto dos seus filhos e filhas autistas serem sexuais reflecte-se no atraso ou na falta de educação sexual e preocupações de que sua provisão introduza ou aumente o interesse sexual. Algo semelhante ao que ainda hoje ocorre com a introdução da disciplina de educação sexual no currículo escolar. Essas preocupações reflectem a dessexualização da pessoas no espectro e pessoas com deficiência em geral.


Alguns estudos comparativos de pessoas autistas com pares da população em geral considerados não autistas ou neurotípicos documentaram principalmente similaridades nas experiências sexuais de ambos os grupos. Não foram encontradas diferenças significativas entre indivíduos autistas de "alto funcionamento" (isto é, aqueles com QI superior a 70) e seus pares neurotípicos em experiência ou interesse sexual, conhecimento sexual formal (por exemplo, identificação anatómica, comportamento descrição), satisfação conjugal ou funcionamento romântico (por exemplo, desejo e experiência)

Para além destas semelhantes foram encontradas diferenças significativas na orientação sexual. Juntamente com essas semelhanças, no entanto, foram encontradas diferenças significativas na orientação sexual. Pessoas do espectro do autismo apresentem menores níveis na heterossexualidade e mais na homossexualidade, bissexualidade e assexualidade do que em um grupo de comparação neurotípica. Além disso, as proporções de indivíduos autistas que se identificaram como minorias sexuais foram substancialmente mais altas do que as proporções de pessoas na população em geral que se identificam como homossexuais ou homossexuais. bissexual (4%) ou como “outra coisa” (4%).


Encontrar um parceiro para a vida, ser incompreendido e saber como se comportar em situações sexuais são preocupações expressas com mais frequência por pessoas do espectro do que por seus pares neurotípicos. Essas preocupações reflectem as taxas relativamente baixas de casamento e relacionamentos íntimos entre indivíduos autistas. E tudo isto pode ser claramente diminuído com uma alteração da nossa forma neurotipica de pensar.

5 visualizações

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com