Olha a fruta fresquinha freguês

Alguns conhecerão os trabalhos do Renascentista Giuseppe Arcimboldo, nomeadamente este Vertumnus de 1590. Considerado um Deus dos jardins e dos pomares, casado com a deusa Pomona, presidia à mudança das estações - particularmente ao Outono. Por sua vez outros conhecerão a letra da música "Peguei, trinquei e meti-te na cesta, ris e dás-me a volta à cabeça. Vem cá tenho sede, quero o teu amor d'água fresca (...)", cantado pela Dina, e terão inclusive dançado ao seu som. Tudo isto é um pouco como a sexualidade e a identidade de género no Autismo - uma diversidade tão grande quanto aquela que observamos no próprio Espectro do Autismo. Tal como Pomona, que envelhece e rejuvenesce ao ritmo das estações. Após muitos anos de desinformação, é agora reconhecido que a maioria das pessoas autistas está interessada em romance e sexualidade. além de existe uma consciência crescente da redução da heterossexualidade e aumento da diversidade e disforia na identidade de género. Aproxime-se e prove, esta fruta não tem bicho!

Com o aumento da prevalência de diagnósticos de Perturbação do Espectro do Autismo (PEA), e do conhecimento do número crescente de pessoas autistas a atingirem a idade adulta, passou a ser importante concentrar a atenção empírica nas transições sociais ao longo do ciclo de vida útil das pessoas autistas.


Para uma transição apoiada é essencial optimizar resultados positivos na vida adulta, tais como, o acesso equitativo ao emprego, moradia, serviços de apoio à saúde mental e física, redes sociais e relacionamentos íntimos. Como tal, seria desprovido de qualquer sentido que a sexualidade e género não fossem tidos como aspectos centrais da transição para a idade adulta e fundamental para a formação e manutenção de relacionamentos íntimos e saúde associada e resultados sociais.Seria como negar a existência da própria pessoa.


Antes da década de 1990, havia pouca atenção empírica sobre os interesses românticos e sexuais de pessoas autistas. De facto, parecia que as pessoas autistas eram consideradas desinteressadas da intimidade e sua falta de interesse aparente e/ou declarada quando perguntado pelos investigadores sobre o interesse deles, pelo sexo contrário foi tomado como evidência da sua assexualidade. Assim sendo, houve poucas evidências sobre a saúde sexual e o desenvolvimento romântico de pessoas autistas, suas identidades ou orientações. Os primeiros estudos relataram muito poucos casos de relações sexuais entre adultos autistas.


É fundamental poder ter presente que a conceptualização dos fenómenos, tal como vistos pela ciência, também reflecte a forma como eles são representados pela maioria da Sociedade. Mesmo até a ciência olha estes e outros fenómenos de uma forma inviesada e leva a que outros se enviesem também. Ainda assim, ao longos dos anos a ciência tem procura crescer e distanciar-se destes erros. Será fundamental que cada um de nós possa fazer uma evolução semelhante. Seja na procura de informação valida e fidedigna e que representa o que nos estamos a referir e que não represente apenas a nossa visão.


Comparado com grupos de pessoas com um desenvolvimento normativo, as pessoas autistas parecem demonstrar um menor conhecimento sexual, menos educação sexual formal / informal, menos contacto social com outros, comportamento sexual mais inadequado, menos consciência da privacidade e mais preocupação com a assuntos relacionados com a sexualidade. Além disso, comparado com homens autista, as mulheres autistas relataram maior ansiedade sexual e menos desejo sexual, excitação e masturbação, embora, curiosamente, maiores níveis de comportamento sexual. Estudos mais recentes com foco em amostras de pessoas autistas sem dificuldade intelectual comórbida

também relatam taxas relativamente altas de experiência relacionamento romântico

experiência, sendo que 25–50% estão actualmente em relacionamentos e aproximadamente 70 a 80% estiveram em pelo menos um relacionamento romântico. Em termos de orientação sexual, parece existir um consenso esmagador nas investigações que sugerem que as pessoas autistas demonstram maiores níveis de atração não-heterossexual em comparação com pessoas neutoripicas.


Ao considerar as questões de sexualidade, género e autismo, os profissionais de saúde

podem notar que há tendências e dificuldades auto referenciadas em torno de temas comuns. Isso geralmente inclui dificuldade em decifrar e responder a sinais comunicativos e

navegar no processos de namoro, como flirtar discernir a intimidade dentro de diferentes estruturas de relacionamento, incerteza ou exploração na orientação sexual e dificuldade em identificar e expressando das suas próprias emoções. Pode haver um sentimento de alienação, frustração ou pessimismo resultante de experiências negativas anteriores e sintomas de saúde mental mais negativos e um bem-estar pessoal diminuído relacionado ao stress. Atendendo à vulnerabilidade e coerção identificada entre aqueles com perturbações do neurodesenvolvimento, particularmente mulheres autistas, é pertinente rastrear as experiências sexualmente coercitivas, actuais ou no passado, e fornecer vínculos com a

informação, serviços e psicoeducação comm base num funcionamento saudável do relacionamento e consentimento.


É esperado em contextos clínicos, e em relação ao género, os temas relacionados à incerteza sobre a identidade de género, rejeição de colegas, sentimento diferente e / ou sentimentos de insatisfação com os papéis e expectativas tradicionais de género, bem como com menos motivação para cumpri-los. Entre alguns pessoas autistas, há aquilo que pode ser definido com disporia de género. Com estas pessoas pode ser útil facilitar a exploração do género. Em contextos clínicos, pode ainda ser útil formular questões de sexualidade, género e relações entre pessoas autistas usando um enquadramento biopsicossocial e do desenvolvimento. Avaliando as pessoas e o seu conhecimento sexual e canais de informação pode também ser útil, pois pessoas diferentes podem ter sido expostos

em diferentes graus de educação sexual. Portanto, é importante considerar como as pessoas autistas podem ser apoiadas em questões de sexualidade, género e intimidade na adolescência e na idade adulta emergente, especialmente quando a identidade de minorias sexuais e de género está presente. É importante equacionar ligações com grupos de suporte apropriados em áreas locais sempre que possível, e quando não estiverem disponíveis, direcionar as pessoas e as famílias para recursos sobre esses tópicos, como

livros, documentários, filmes, grupos de apoio on-line e blogs escritos por pessoas autistas. Isso pode ajudar a promover um sentimento de pertença e normalizar as experiências encontrando semelhança com os outros.


Embora historicamente as pessoas autistas possam ter sido caracterizadas como assexuado ou improvável de ter relacionamentos românticos e sexuais, houve uma mudança ao longo do tempo em reconhecer que a maioria dos pessoas autistas está interessada em relações sexuais e relacionamentos românticos. E esta mudança tem sido em muito determinado pela perspectiva diferente que cada vez mais muitos de nós, profissionais de saúde inclusive temos vindo a adoptar.

13 visualizações

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com