No stairway to heaven

Ainda há pouco celebramos no dia 18 de fevereiro o dia Internacional da Síndrome de Asperger. E agora estamos à beira de comemorar no dia 2 de abril o dia Mundial de Conscientização do Autismo. Se no passado já tivemos debates mais acesos sobre o acender uma luz de azul. Hoje o debate vai continuando em questões bastante mais profundas. Um dos conceitos usados nestes dias é o de Awareness - Conscientização. Mas também tem sido usado o de Aceitação (Acceptance) ou de Apreciação (Appreciation). Como em muitas outras questões o consenso não é generalizado. Mas isso não importa. É fundamental haver um debate em torno destas e outras questões.

Apesar de nenhum dos conceitos - Conscientização, Aceitação ou Apreciação funcionar na perfeição. Também é verdade que nada funciona para todos. É verdade que a Apreciação e Aceitação do autismo parecem muito melhores do que a Conscientização do autismo, mas também é verdade que uma grande percentagem da população ainda não tem consciência das realidades do autismo e da neurodiversidade. Certamente, sem estarmos ciente do autismo, e do que tudo isso realmente significa, alguém não pode realmente entender, aceitar, apreciar ou ser um aliado das pessoas autistas. A conscientização real - é necessária, e a aceitação e a apreciação são um progresso, mas aceitar e ter uma apreciação são limites bastante baixos a serem estabelecidos - particularmente para as partes mais interessadas no Autismo, membros da família, investigadores, organizações e responsáveis pelo desenvolvimento de políticas públicas.


Mas então se nada disto parece ser ainda suficiente, então o que pode ser? Como é que podemos todos nós melhorar neste processo conjunto e global da neurodiversidade? Se estivermos ao nível da Conscientização seremos apologistas do uso de personagens em filmes e séries para promover a consciência do Autismo na população em geral. E como podemos subir deste patamar. Uma forma que tem sido advogada é o de ir ter com a própria comunidade Autista e perguntar, ou simplesmente ler ou escutar o que eles e elas têm para dizer sobre si próprios. Muitos de nós profissionais de saúde procuramos ler sobre o Autismo a um nível cientifico. Essa leitura dos critérios de diagnóstico, comorbilidades, sintomas e expressão comportamental dentro da Perturbação do Espectro do Autismo é crucial para o desenvolvimento de um melhor trabalho de diagnóstico e intervenção. Mas é fundamental, também para os profissionais de saúde e todos os restantes poderem ir junto da própria comunidade e "aprender" o que muitas vezes não se encontra descrito nos manuais.


A Aceitação pode ser um conceito bastante abrangente. Talvez você tenha visto e lido alguns conteúdos da comunidade autista, e isso não ir ao encontro com o que você pensava que o autismo era. Talvez tenhamos aprendido sobre o autismo num curso de psicologia ou educação ou na faculdade de medicina, e estamos a ter dificuldades para conciliar o que aquele capítulo do seu livro diz com o que você está a aprender ao ler relatos de autistas sobre sua vida quotidiana. Aceitar é realmente apenas deixar a consciência real vencer quaisquer noções preconcebidas que possamos ter. É muito mais fácil dizer do que fazer. Cognitivamente, os seres humanos preferem procurar, atender e lembrar de informações consistentes com suas crenças anteriores e ignorar, desconsiderar e esquecer as informações que são inconsistentes com o que eles pensavam que sabiam.


É difícil alterar todo o mindset ou esquema para um conceito, mesmo que seja lógico fazer isso. Por exemplo, obviamente, uma pessoa autista saberia mais sobre sua própria experiência do que um investigador que potencialmente interagiu apenas superficialmente com pessoas autistas, mas fazer isso acontecer em nós é algo que leva mais tempo e esforço.


Somente depois de aceitar as realidades do autismo é que ele pode ser realmente apreciado. Aqui, devemos enfatizar que a apreciação não se resume a sentimentos algo confusos de bondade em torno do autismo. De facto, realmente não é isso. Parece claro que é maravilhoso apreciar as pessoas autistas e tudo o que elas têm a oferecer à sociedade, porque realmente têm muito a oferecer! No entanto, trata-se também de reconhecer e afirmar desafios reais que as pessoas autistas enfrentam diariamente. É apreciar as diferenças, forças, desafios, necessidades e contexto em que as pessoas autistas existem.

15 visualizações

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com