#Nãoassuma!

Passamos a vida nisto. Presumimos algo a partir de uma parte da informação global. Sentimos confiança! Não temos muito tempo? Precisamos de responder rapidamente à situação? Aquilo que presumimos vai de acordo com o nosso sistema de crenças? Estas e outras, seja porque razão for é algo que fazemos constantemente - assumimos saber algo. E tomamos decisões com impacto nas pessoas em torno de nós com base nessa informação reduzida mas da qual sentimos ter a maior das certezas. E no espectro do autismo o que não falta é presunção (i.e., acto ou efeito de presumir).

Cerca de uma em cada 100 pessoas tem Perturbação do Espectro do Autismo (PEA). Poderíamos parar já nesta afirmação. O quanto dela é presumida? Muitas pessoas perguntas se estes e outros números da percentagem de pessoas autistas no mundo é real! Mas não é! É uma prevalência. É inferido com base na informação recolhida de acordo com os estudos científicos em questão. Presume-se que o número de pessoas autistas possa ser maior. Mais uma vez, presumimos.


Embora cada pessoa seja única, as pessoas com PEA compartilham algumas características comuns. Isso inclui dificuldade nas interações sociais, comportamento repetitivo e interesses restritos, como alinhar repetidamente os brinquedos na mesma ordem, presentes desde a primeira infância e limitando o funcionamento diário. O autismo é uma condição do espectro, o que significa que o tipo e a gravidade dos sintomas variam dependendo da pessoa.


Há 4 autistas rapazes para cada 1 rapariga autista. É verdade, perguntam muitos! Na verdade não sabemos. Presumimos, pelo menos alguns de nós, que a diferença seja menor. E haverá agora mais pessoas autistas do que há 20 ou 30 anos? Presumimos que os números não tenham aumentado, mas antes a capacidade de resposta de diagnóstico, os próprios instrumentos de avaliação serem melhores, etc. Mais uma vez, presumimos. Presumimos isto e aquilo.


E afinal, as pessoas com autismo podem tomar boas decisões? É porque há muitos que dizem que esta capacidade se encontra afectada. Actividades diárias, como fazer compras ou visitar o cabeleireiro, muitas vezes podem ser um desafio para pessoas com autismo. Por exemplo, eles são mais propensos do que a pessoa média a relatar comprar coisas que não usam. Eles geralmente acham difícil tomar pequenas decisões, como quais roupas vestir ou o que comer. Mas quando se trata de tomar grandes decisões, como com quem se casar ou onde trabalhar, elas o fazem da mesma maneira que uma pessoa típica. Esses exemplos mostram que se alguém com autismo toma decisões "melhores" ou "piores" em comparação com outras pessoas depende do tipo de decisão que está para tomar. De facto, em muitos casos, as suas escolhas não são melhores ou piores que as das pessoas comuns - apenas diferentes. Por exemplo, é mais provável que eles comprem algo de um anúncio que apresenta uma pessoa que aprecia o produto por conta própria e não com outras pessoas.


E então em relação à criatividade? As pessoas com autismo podem ser imaginativas? Supõe-se frequentemente que as pessoas com autismo não têm imaginação por causa de seu foco em detalhes e fatos exactos. Para uma pessoa comum, é fácil imaginar alternativas à realidade, seja pensando em eventos passados ou sonhando acordado sobre como o futuro pode se desenrolar. Mesmo crianças muito pequenas, com idade entre um e meio a dois anos, começam a se divertir. Ao contrário do que se pensa, as crianças com autismo desenvolvem essas habilidades de imaginação racional - embora possam levar dois ou três anos a mais do que as outras crianças. Da mesma forma, o pensamento analógico, no qual uma pessoa compara dois objectos ou eventos, é considerado essencial para a criatividade e para a compreensão de novos conceitos. Surpreendentemente, as pessoas com autismo geralmente demonstram excelentes habilidades em resolver analogias pictóricas - como encontrar o padrão oculto no teste Matrizes de Raven. Apesar de algumas diferenças no desenvolvimento do pensamento criativo, as pessoas com autismo têm uma vida mental imaginativa tão rica quanto qualquer outra pessoa.


Já sei, esta eu sei! As pessoas com autismo interpretam as coisas literalmente! Será? Há uma ideia persistente de que pessoas com autismo interpretam tudo literalmente. De facto, a incapacidade de entender metáforas e outras formas de linguagem não literal faz parte dos critérios de diagnóstico do autismo. Mas as pessoas com autismo compreendem o real significado das metáforas, assim como as pessoas não-autistas, quando comparadas com pessoas com habilidades de linguagem semelhantes. Eles também entendem que solicitações indiretas, como: "Você pode fechar a janela?", Exigem uma ação em vez de uma resposta "sim" ou "não". Pessoas com autismo podem confiar no conhecimento de base para saber quais inferências lógicas devem ser feitas - embora às vezes o façam de maneira diferente da pessoa comum. Por exemplo, se lhes disserem: “Se a Joana tiver um relatório para escrever, ela ficará até tarde na biblioteca” e: “Se a biblioteca permanecer aberta, ela ficará até tarde na biblioteca”, eles freqüentemente inferem que: “Ela vai ficar até tarde na biblioteca ”. Dadas as mesmas informações, a pessoa comum normalmente não deduz que a Joana ficará até mais tarde na biblioteca, porque reconhece que não sabe se a biblioteca ficou aberta ou não. As pessoas com autismo às vezes diferem das outras na maneira como combinam diferentes tipos de conhecimento. No entanto, na maioria dos casos, eles têm uma visão geral e geralmente podem descobrir o significado oculto do que alguém lhes disse.


Estas e outras novas descobertas a partir da investigação cientifica, seja aquela que procura estudar os processos mentais básicos mas também a psicologia aplicada, o certo é que eles vieram contradizer alguns estereótipos actuais do autismo. Revelando que os processos de pensamento de pessoas com autismo não são totalmente diferentes dos de uma pessoa comum. Eles também mostram como essas diferenças podem ser vantajosas em algumas situações. Por exemplo, uma tomada de decisão cuidadosa é útil ao decidir em quem votar ou em que investimento fazer. Mas pode ser uma desvantagem em uma situação que exige uma resposta rápida, como quando uma pessoa precisa pensar em pé em uma entrevista de emprego.

4 visualizações

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com