Férias virtuais

Nada do que possa ler daqui para a frente tem a garantia de ter algo que se aproveite. Hoje, 31 de julho, é altura de muitas pessoas terem parte das suas malas de viagem preparadas e inúmeros lembretes no smartphone e post it colados na mala principal de viagem e na porta do frigorífico para não se esquecer de nada. Um aviso em jeito de spoiler - vai sempre haver alguma coisa que se vai esquecer. Não se esqueça de si, mas deixe ficar por casa aquela parte de si que talvez possa não fazer sentido levar. Ou então leve, até porque você já é crescido e sabe muito bem tomar conta de si. E talvez a parte de si mais resmungona pode mesmo precisar de apanhar ar fresco. Não se esqueça da família ou de quem quer que vá consigo. Não há orçamento para fazer uma reedição do Home Alone. Se tiver animais leve-os consigo ou trate de arranjar alguém que o faça. Caso abandone o animal à sua sorte espero que as suas férias possam ser más o suficiente para se arrepender para todo o sempre de ter feito um crime desses. Também pode ser o caso de já ter ido de férias, tenham sido forçadas, pelos motivos da situação actual, ou desejadas. Seja como for procure aproveitar. Se algum colega seu lhe continuar a enviar mensagens com fotos do local de onde está de férias, envie-lhe uma foto de volta com alguma traquinice que lhe tenha feito no seu posto de trabalho. Deixo à sua criatividade e inteira responsabilidade o que quer que venha a fazer. Se não vai de férias porque não pode, não tem recursos financeiros para o fazer, encha o peito de ar e acredite que as férias podem sempre acontecer mesmo nessas situações aflitivas. Se tiver alguém perto abrace-o e deixe que esse aconchego o encha de energia. Olhe nos olhos dessa mesma pessoa e procurem ver o que juntos podem fazer. No caso de não ter ninguém com quem fazer isso, seja porque razões for, há sempre hipótese de ligar a alguém, amigo, colega, desconhecido, linhas de apoio. Também poderá, no caso de ter uns óculos de realidade virtual procurar fazer as suas férias sentado no sofá de casa, veja aqui como. Se pensar bem, não é nada que já não tenha feito em outras alturas em que ficou a ver vídeos de Bora Bora durante duas semanas, enquanto ligava e desligava o ar condicionado. Divirta-se se faz favor. Ou faça aquilo que bem entender, até porque o tempo é seu.


21 visualizações

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com