Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com

Europe is burning, bur(ning)out

Ano após ano é frequente o debate a nível nacional e internacional dos fogos florestais. Quais as causas, como avaliar e intervir, há falta de recursos ou não. Como agir preventivamente e como reagir no cenário pós rescaldo. Estas e outras questões continuam a ser colocadas todos os anos formuladas com mais ou menos desenvolvimento técnico, teórico ou pragmático. A sindrome de burnout é em muito semelhante. A exaustão é como o canário na mina de carvão quando se trata de esgotamento. Infelizmente, ainda são muitos os que ignoram os sinais de alerta precoce.

O Burnout está na agenda de todos nós e em todo lugar. À semelhança da Depressão e Ansiedade, a palavra burnout tem surgido cada vez mais frequentemente no léxico das pessoas. Sejam estudantes, trabalhadores, pais, quase todo mundo parece ter sofrido ou sofrer com isso. No inicio do verão deste ano, a Organização Mundial de Saúde elevou o burnout de um estado de exaustão para uma síndrome, resultante no stress crónico que ocorre no local de trabalho e transpôs para o Manual de Classificação Internacional de Doenças (ICD 11). Quando este conceito começou a ser falado e eu próprio o utilizava era frequente ouvir reacções que pareciam querer diminuir a importância do conceito e a referir que isso era algo que já havia há muito tempo e que era transversal a todos nós em algum momento da nossa vida profissional. É frequente também ouvir algumas pessoas dizerem que já responderam a algum questionário online sobre a questão do esgotamento profissional ou do burnout e que 2-3 questões respondidas por si afirmativamente foram suficientes para dizer que tinha ou estava em risco de burnout. Facto que vem alimentar a ideia de que todos já sofreram em algum momento desta agora classificada síndrome. E se por um lado acaba por criar uma sensação de descrédito por outro lado também vem alarmar muitos colaboradores e consequentemente empregadores.


O risco de perturbações psicológicos que influenciam a saúde dos trabalhadores aumenta de acordo com os crescentes requisitos dos colaboradores de várias profissões. Paralelamente a isso, a influência negativa na saúde mental dos trabalhadores aumenta continuamente e as doenças ocupacionais crónicas relacionadas ao stress, especialmente a síndrome de burnout, estão a tornar-se uma questão importante e urgente de mudar a trajectória.


Embora o termo burnout seja descrito desde 1974, nem o Manual de Diagnóstico das Perturbações Mentais (DSM), nem a Classificação Internacional de Doenças (CID) reconheceu-o como uma condição distinto. Na 10ª revisão da CID, o burnout é

definido como um estado de exaustão vital e é classificado em problemas relacionados à vida e dificuldade de gestão. Na maioria das vezes, o burnout é definido por intermédio das dimensões de exaustão, cinismo e falta de eficácia através do "Inventário-Geral de Maslach Burnout Survey "(MBI-GS). Alguns autores que estudaram o burnout têm-no feito em relação a trabalhos e condições específicas como desgaste profissional, ocupacional, ou do emprego,, embora não haja consenso em relação à terminologia.


O termo usado pela primeira vez em 1974 por Freudenberger em seu estudo chamado “Staff burnout”. Logo após, em 1976, a síndrome de burnout foi definida por Maslach e Jackson como uma síndrome tridimensional caracterizada por exaustão, cinismo e ineficácia, ou seja, o oposto ao descrito como energia, envolvimento e eficácia. A prevenção da síndrome de Burnout tem sido discutida em todo o mundo devido ao ónus económico do absentismo e outras consequências negativas relacionadas à satisfação no trabalho, desempenho no trabalho e assistência ao paciente. Algumas investigações têm demonstrado a existência de um número médio anual alemão de dias de doença atribuídos ao burnout aumentou de 0,67 em 2004 para 9,1 dias em 2011. Na Holanda, cerca de 15% da ausência de doença da população activa foi causada por burnout e o custo anual desse distúrbio atingiu 1,7 milhões de euros em 2005.


O burnout tem consequências negativas para as pessoas, organizações e sociedade. No nível individual, o burnout pode causar stress emocional e mental, deixando os profissionais insatisfeitos nas suas carreiras e funcionários que antes estavam entusiasmados com a progressão da sua carreira passaram a ter uma acentuada queda da produtividade e a demonstrar um maior nível de eficiência. Mas afinal o que pode causar o burnout e como identifica-lo?


Alguns dos stressores comuns são: 1) Prazos irrealistas 2) Conflitos ou interrupções frequentes de agendamento 3) horários imprevisíveis 4) Exigências físicas como exposição ao clima ou trabalho pesado 5) Responsabilidade adicionada além do escopo inicial da função, sem ser compensada pela supervisão 6) Exigências interpessoais, como interações com colegas ou clientes. Esses stressores podem se manifestar em explosões de ira contra colegas de trabalho, violência ou raiva em relação aos entes queridos em casa, perda de apetite e motivação por coisas que antes eram desejadas ou incapacidade de encontrar motivação para as coisas que você conseguiu realizar com facilidade. Em relação aos aspectos a ter em conta como sinais de alerta são: 1) sentir-se emocionalmente esgotado e mentalmente doente. Náusea. Ser incapaz de dormir ou combater constantemente doenças como constipações; 2) Sentir-se alienado por seus colegas e chefias, sentindo-se constantemente subestimado ou sentindo-se banido por eles; e 3) Sentir que você não está a alcançar o seu melhor.


O diagnóstico e tratamento de pacientes com burnout na prática de saúde ocupacional é

desafiador devido a diferentes teorias etiológicas, inúmeras tentativas de conceptualização de burnout e uma variedade de ferramentas de avaliação. Esses desafios têm repercussões para o reconhecimento do burnout como doença profissional e sua compensação, quando apropriado. Actualmente, não há dúvida de que a síndrome de burnout pode ser causada e ou agravada pelo trabalho e é muito importante diagnosticá-la precocemente e introduzir medidas preventivas. Cerca de 8% da população trabalhadora alemã acredita que sofre da síndrome de burnout. Um estudo entre 7 400 médicos Checos, 34% consideram que já apresentam sintomas de burnout e 83% perceberam estar em risco. Foram observadas diferenças entre vários especialistas, sendo o maior risco encontrado entre traumatologistas, trabalhadores em hemodiálise, infectologistas, internistas, ginecologistas, radiologistas e cirurgiões. Curiosamente, neste estudo, os médicos ocupacionais estavam do outro lado da escala, com a menor proporção de médicos com síndrome de burnout.


As ocupações mais expostas são as profissões de ajuda, como profissionais de saúde, assistentes sociais, policiais e professores e empregos de alto nível, como atendimento ao cliente; alguns estudos também dizem respeito a advogados, gerentes etc., que, no entanto, são menos envolvidos. Com base nos dados recolhidos pela Rede de Pesquisa em Saúde e Ocupação (THOR) no Reino Unido, um esquema nacional de vigilância em saúde ocupacional que utiliza dados voluntários relatados por médicos (incluindo psiquiatras e médicos do trabalho), dificuldades de carga de trabalho e comunicação com outros trabalhadores parecem representar a factores de risco mais significativos para o desenvolvimento de problemas de saúde mental relacionados ao trabalho.


Para avaliar de forma mais capaz estas questões do burnout foi realizado um estudo a nível Europeu em 14 países para caracterizar este fenómeno. Na maioria dos países o burnout é concebido como uma doença ocupacional crónica relacionada ao stress. No entanto, os critérios de diagnóstico que são usados nestes diferentes países é suficientemente lato o que demonstra a dificuldade no consenso face à compreensão do construtor. Logo, torna-se difícil realizar estudos de investigação atendendo aos diferentes instrumentos de avaliação existentes e critérios usados. A síndrome de burnout ainda não foi oficialmente aceite como uma doença profissional na maioria dos países da UE, embora, de acordo com a pesquisa Eurobarometer em 2014, 57% dos entrevistados tenham relatado que a exposição ao stress é o principal risco de saúde e segurança que eles enfrentam no local de trabalho hoje. Uma das razões pode ser que apenas 53% dos estabelecimentos pesquisados no relatório da UE-28 tenham informações suficientes sobre como incluir riscos psicossociais nas avaliações de risco. Além disso, a ausência de um diagnóstico individual claro para a síndrome de burnout e o uso de muitos diagnósticos diferentes, como ansiedade ou depressão, podem levar a confusão na forma como é relatada.

8 visualizações