Espectros em saúde mental

Nos últimos anos temos ouvido com mais frequência a palavra espectro associada à Perturbação do Espectro do Autismo (PEA). E também muitas vezes ouvimos dizer que esta ou aquela pessoa está no espectro. Sendo que neste último caso isso não tem de significar propriamente que nos estejamos a referir ao Espectro do Autismo, mas sim a outro espectro. Na saúde mental parece haver toda uma continuidade na apresentação dos sintomas e comportamentos das pessoas. E isso pode fazer com que seja menos linear a atribuição de um diagnóstico de Perturbação do Espectro do Autismo. E possamos colocar a hipótese de uma Perturbação do Espectro do Esquizofrenia.

A Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) é caracterizada por deficits na comunicação e interacção social, interesses restritos, comportamentos repetitivos e hiper ou hipossensibilidades sensoriais. Esses recursos variam substancialmente em gravidade e impacto funcional entre as pessoas e devem estar presentes desde a primeira infância. Por sua vez a Perturbação do Espectro da Esquizofrenia, que frequentemente se manifestam na adolescência ou nos jovens na idade adulta, também variam em gravidade e incluem sintomas positivos (por exemplo, delírios e alucinações), sintomas negativos (por exemplo,afecto neutro, evitamento) e um discurso ou comportamento desorganizado.


Como condições distintas de diagnóstico, ambos os diagnósticos, Perturbação do Espectro do Autismo (PEA) e Perturbação do Espectro da Esquizofrenia (PEE), partilham múltiplas características clínicas e factores de risco genéticos e parecem co-ocorrer em taxas elevadas. As características clínicas partilhadas incluem desafios socioemocionais (por exemplo, alexitimia, deficits na teoria da mente), deficits do funcionamento executivo e catatonia. Além disso, os sintomas de uma perturbação podem imitar o outro, conforme ilustrado por similaridades fenotípicas entre sintomas psicóticos negativos (por exemplo, retraimento social) e reciprocidade socioemocional reduzida na PEA.


Os profissionais de saúde (médicos ou psicólogos) frequentemente lutam com a avaliação diagnóstica em pessoas com possíveis comorbilidades de PEA e PEE, particularmente em casos mais complexos. Os clinicos podem ser confrontado com o dilema de desvendar os sintomas de ambas as condições ou decidir uma condição em favor de outra. Os componentes de uma avaliação diagnóstica completa, bem como os possíveis recursos de PEA que podem ser confundidos com psicose são: Catatonia, uma síndrome frequentemente subdiagnosticada que ocorre na PEA e PEE e é uma condição complexa que merece especial consideração.


Um clínico deve considerar um diagnóstico comórbido de um Perturbação do Espectro do Esquizofrenia numa pessoa com PEA que reporta comportamentos mais bizarros ou crenças perceptivas e exibe comportamentos que parecem diferentes da linha de base. Esses sintomas, bem como uma mudança social, o funcionamento cognitivo ou adaptativo da linha de base deve ser investigado com maior detalhe. As informações colaterais de pais, cuidadores ou professores geralmente são cruciais para se resolver que características podem ou não ser devidas à psicose. Pais e cuidadores podem frequentemente identificar mudanças no comportamento a partir da linha de base, mesmo que não tenham certeza de como entender o que estão a observar.


O valor da informação colateral torna-se aparente, por exemplo, durante uma avaliação para Perturbação do pensamento numa criança com PEA cujas verbalizações são primariamente repetitivas ou estereotipadas. Embora o discurso enquanto tal lhe possa parecer idiossincráticos ou sem sentido, muitas vezes quando fornecidos por contexto e interpretação de outros, os clínicos percebem que essas verbalizações são uma característica da PEA em vez do pensamento desorganizado. No entanto, se um dos pais ou cuidador for incapaz de decifrar o significado subjacente dos pensamentos e verbalizações de uma criança, a preocupação com a psicose deve aumentar. Da mesma forma, oa monitorização da psicose deve ocorrer, com evidência de uma mudança nas interacções sociais de linha de base, aumento do evitamento ou presença de comportamentos estranhos ou incomuns que não se encaixam nos interesses típicos de uma pessoa ou dos seus rituais.


As principais características da PEA podem ser confundidas com psicose se o clínico não tiver história clínica ou informações sobre o funcionamento da linha de base. Os exemplos a seguir ilustram possíveis descaracterizações de recursos de pessoas com PEA:


  • Um adolescente com PEA com uma história de ser intimidado por vozes que sente que lhe dizem algo com um teor negativo sempre que ele vê um grupo de pessoas que se parecem com o grupo de bullies da escola. Os pensamentos rígidos e perseverante, perspectivas limitadas e dificuldade de ler emoções podem levar a preocupações de que a pessoa possa ser paranóica ou ter delírios, ao invés de estar a lutar com as competências sociais essenciais que tem. A história dos membros da família sobre as suas relações sociais e experiência passada com colegas, bem como testes de realidade e tentativas de entender seus pensamentos mais ansiogénicos, podem revelar que esses desafios são consistentes com sua linha de base e não com sintomas psicóticos.

  • Uma criança altamente focada em estímulos sensoriais (por exemplo, sons) e experiências a hipersensibilidade auditiva pode parecer preocupada com estímulos internos quando ela de repente faz uma pausa, parece olhar a distância e parece mais desconectada e desatento do que o habitual. Observação quando isso ocorre, história de outros que também ouvem as informações sensoriais e uma avaliação cuidadosa para outras causas médicas de possíveis períodos de encarar os olhos podem esclarecer que esse comportamento é uma característica da PEA.

0 visualização

Informação útil:

©2018 by Autismo no Adulto. Proudly created with Wix.com