top of page

A primeira criança

Hoje, dia 1 de junho, celebramos o dia da criança. Uma data especial para muitos de nós e certamente por diferentes razões. Seja por nos lembrar da importância de cuidarmos e mantermos a criança dentro de nós. Mas também de podermos recordar da importância de continuar a cuidar de todas as crianças. Seja no garantir dos seus direitos fundamentais, protecção e assistência necessárias, para que possam vir a assumir de forma plena as suas responsabilidades dentro da comunidade. Mas também de que deve haver um espaço, uma familia, que possa assegurar uma vivência de segurança. E que ajude a criança a preparar-se para uma vida independente na sociedade. E que esta possa ser educada num espirito de paz, tolerância, liberdade, dignidade e direito de se expressar livremente.


Todas as crianças são especiais, sejam aquelas que vivem para sempre no nosso coração, mas também aquelas que aprendemos a amar. Se têm dúvidas perguntem às mães e pais que conhecem. Mas também aos educadores, professores e profissionais de saúde.


No contínuo assegurar dos Direitos da Criança, é fundamental ter uma especial atenção, a todas aquelas que por uma razão ou outra apresentam uma qualquer condição de saúde, seja física ou mental. É o caso daquelas que apresentam um diagnóstico de Perturbação do Espectro do Autismo. Até porque é sabido por muitos de nós, e em especial vivido por elas e pelas suas famílias, todo um conjunto de experiências negativas, e que diz em muito respeito à forma como todos nós lidamos com a diferença. Muitas das crianças autistas, que se tornam jovens e crescem para ser adultos autistas, sofrem de inúmeras situações de bullying ou cyberbullying, incompreensão dos colegas, professores, profissionais de saúde e familiares. Sentem que ao longo da infância, mas depois também durante a vida, são muitos, porventura demasiados, os desafios que lhe são colocados, para que possam ser aquilo que todas as crianças, jovens e também adultos desejam - ser felizes.


E não haja dúvida de que estas crianças autistas crescem e vivem uma vida longa. No exemplo das fotografias que acompanham este texto, podem ver aquele que foi a primeira criança a ser diagnosticada com autismo pelo Dr. Leo Kanner em 1938 - Donald Triplett. E como podem ver, também o Donald tinha uma mãe e um pai, que independentemente das dificuldades sentidas em o compreender, não deixaram ainda assim de o querer cuidar e ajudar a cuidar. E apesar de algumas das expressões faciais que podem levar alguns a dizer que não se estava a divertir. Também ele sentiu vontade de poder participar nas brincadeiras típicas com o seu irmão mais velho. E assim cresceu para se tornar adulto. E independentemente de poder continuar a precisar da ajuda do seu irmão mais velho para algumas tarefas, isso não retira em nada os seus direitos enquanto Pessoa.


17 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Opmerkingen


bottom of page